Eleições presidenciais enfurecem luta de classes

Para o filófofo Marcos Nobre, Brasil precisa decidir se vai ou não continuar reduzindo a desigualdade.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Eleições acirraram a luta de classes no país, diz filósofo

Para o cientista político “A direita descobriu que a rua é dela também em junho de 2013, quando a esquerda também descobriu que pode ter mobilização de massa”.
Foto: Divulgação/ Unicamp.

Eleições acirraram a luta de classes no país, diz filósofo

Marcos Nobre, professor da Unicamp, diz que país precisa decidir se vai ou não continuar reduzindo a desigualdade

Professor João Carlos Brum Torres teme uma radicalização lacerdista da oposição e deriva bolivariana do governo

A eleição acirrou a luta de classes. Estamos num momento em que a democracia brasileira tem que se decidir se vai se aprofundar ou se vai continuar patinando. As instituições até agora funcionaram para bloquear a diminuição da desigualdade no país. É a ideia de que todo mundo tem que andar em bloco para que todos fiquem mais ou menos onde estão.”

As ideias são de Marcos Nobre, doutor em filosofia pela Unicamp. Para ele, as eleições foram “uma guerra em torno da grade de classes do país”: o que está em jogo é a manutenção ou não dessa grade.

Nobre participou na noite dessa terça (28) de debate sobre eleições no 16º encontro nacional da Anpof (Associação Nacional de Pós-Graduação de Filosofia) que ocorre nesta semana em Campos do Jordão (SP). Para ele, “as revoltas de junho abriram um horizonte que parecia fechado, e essas eleições já são expressão de que alguma coisa mudou no sistema político”.

Uma das coisas mais extraordinárias de 2014 “é que a direita trocou os blindados do Exército por blindados privados – esses carros enormes, que parecem militares, e que têm o adesivo do Aécio“.

Sua fala arrancou aplausos e risos da plateia (mais de 350 pessoas) que lotou a sala.

“Fico feliz que exista uma direita no Brasil que ache que a rua é dela. É um avanço democrático enorme, mas pode haver formas de convivência na rua menos brutais. A direita descobriu que a rua é dela também em junho de 2013, quando a esquerda também descobriu que pode ter mobilização de massa”, disse.

Alguém perguntou sobre o ódio na eleição: “Estou contente que esse ódio tenha aparecido nesta eleição, porque não aguentava a pasmaceira de antes. É uma coisa que deve ser cultivada. Não devemos recuar de medo, dizendo que isso é muito perigoso. É preciso ver esse ódio como manifestação de uma sociedade que quer aprofundar sua democraciaRedemocratizar demorou 30 e poucos anos; democratizar espero que demore séculos. Mas junho de 2013 foi um bom começo”.

Nobre expôs sua tese sobre o peemedebismo, nome que dá ao bloco conservador no país. Reunindo múltiplas forças políticas e formando um bloco hipermajoritário no Congresso e na sociedade, o peemedebismo surgiu como forma de afastar golpes do início da redemocratização. O processo de impeachment, em 1992, reforçou a ideia da necessidade do blocão, sem oposição forte, para garantir a governabilidade –uma marca do governo FHC.

Para ele, Lula ocupou esse bloco pela esquerda, desidratando a oposição: “O sistema político funciona num grande condomínio peemedebista: é sempre o mesmo bloco, o que muda é o sindico”. Em 2014, porém, a polarização está de volta: “Voltamos a ter pelo menos a disputa, para valer, pelo posto de síndico”.

Do outro lado da mesa de debates na Anpof, visão divergente foi exposta por João Carlos Brum Torres, professor de filosofia em Caxias do Sul (RS). Ele está preocupado com a divisão do país.

“Vejo duas derivas que seriam desastrosas para nós. Uma se o governo fizer uma deriva argentina ou bolivariana, de conflito com setores conservadores, a imprensa. Se for por esse lado, as coisas vão se agravar e gerar uma crise aguda. Espero que não ocorra. A outra deriva é ressuscitar o lacerdismo. Lula usou bem essa palavra.

Para Brum Torres, esse risco de lacerdismo não viria das grandes lideranças do PSDB, mas da opinião pública: “Especialmente em São Paulo há uma voz de repúdio absoluto e completo. Aqui, no núcleo do capitalismo brasileiro, há uma profunda insatisfação com o sistema de representação política”.

Ele ressaltou que Aécio não é Carlos Lacerda, mas aponta radicalização nas redes e na mídia: “Especialmente nas revistas semanais há uma posição extremamente agressiva de deslegitimação e desmoralização do governo. Isso é um elemento de tensão muito agudo e vai criando um clima de insatisfação que é potencialmente ensejador de um agravamento da crise”.

Ele diz não ver possibilidade de ruptura agora, mas lembra que o Brasil “não tem tradição de resolver bem situações muito tensionadas”.

A seguir, Nobre alfinetou o centro econômico do país: “São Paulo tem que acabar com seu complexo de bandeirante”. Brum Torres deu sua explicação para o oposicionismo paulista: “São Paulo sempre foi muito poderoso e nunca esteve propriamente mandando no Brasil. Isso desde 1930, quando se separou o centro do poder econômico do centro político. Dilma é intolerável para São Paulo por causa disso, porque acentua essa distância”.

Ligado ao PMDB gaúcho, ele divergiu de Nobre: “[Eles] Cumprem uma função estabilizadora no país, que é muito importante e vai continuar”.

0 comments… add one

Leave a Comment