PT convoca militância contra impeachment nas redes sociais

PT está convocando a militância virtual “às armas” para combater as crescentes manifestações nas redes sociais pedindo o impeachment.

Guerra nas redes sociais

Fonte: O Globo

Resposta do PT no perfil oficial da rede facebook. Foto: Reprodução internet.

Resposta do PT no perfil oficial da Rede Facebook. Foto: Reprodução internet.

O PT está convocando a militância virtual “às armas” para combater as crescentes manifestações nas redes sociais pedindo o impeachment da presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) e a intervenção militar. No último fim de semana, três mil pessoas foras às ruas de São Paulo pedindo desde a deposição da presidente a um golpe militar para tirar o PT da presidência. O partido pede que os militantes visitem as páginas oficiais do partido e “armem-se” com argumentos para rebater os ataques nas redes e nas ruas.

A campanha, colocada nas redes sociais da legenda na manhã dessa terça-feira. A mensagem postada com o título “Militância, às armas” no perfil oficial do Partidos dos Trabalhadores no Facebook afirma que a vitória da presidente Dilma Rousseff “revelou o desespero de setores que insistem em ignorar a vontade da população”. E que os “representantes do atraso” estariam tentando manter o acirramento para desestabilizar o segundo mandato da presidente reeleita no último dia 26 de outubro com 51,64% dos votos.

Representantes do atraso, verdadeiros fantasmas do passado, eles tentam criar um terceiro turno da disputa eleitoral ao suscitarem sandices como intervenção militar e até o impeachment da presidenta. Esqueceram que o povo não é bobo! Mantenha-se informado em nossos canais e arme-se com argumentos para rebater a ignorância nas redes e nas ruas.

Na segunda-feira, a reunião da direção da Executiva Nacional do PT, realizada em Brasília, definiu estratégias para a legenda após as eleições. Em um documento classificado como “Resolução Política”, o PT definiu como uma das prioridades a convocação da militância nas redes para defender o partido.

“Inconformada com a derrota, a oposição cai no ridículo ao questionar o resultado eleitoral no TSE. Ainda ressentida, insiste na divisão do País e investe contra a normalidade institucional”, afirmou o documento elencando como fazer:

“Conclamar a militância a participar dos atos em defesa da democracia e da reforma política, previstos para a semana de 9 a 15 de novembro” e “Priorizar ações de comunicação, fortalecendo nossa agência de notícias, articulando-a com mídias digitais, com ação permanente nas redes sociais. Integrar nossas ações de comunicação com o rico movimento cultural em curso no País amplamente divulgados no site do partido, até a próxima reunião do Diretório Nacional”.

Nos últimos 10 dias, mais 185 mil menções pedindo a retirada da presidente do cargo foram registradas nas redes sociais. Na segunda-feira após as eleições, 35.983 menagens nas redes sociais pediam a assinatura de uma petição online pra pedir impeachment. Ontem, foram mais de mil menções.

O GLOBO tentou entrar em contato o PT e até o momento não houve retorno.

PREFEITURA DE SP REPUDIA MANIFESTAÇÕES

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, cujo prefeito é Fernando Haddad (PT), divulgou nessa terça-feira uma nota de repúdio aos “pedidos de intervenção militar que surgiram durante manifestação ocorrida sábado, dia 1º de novembro, na Avenida Paulista”. De acordo com a Secretaria, “reivindicar um golpe militar que destitua um governo democraticamente eleito é anticonstitucional e desrespeita o processo eleitoral recentemente concluído”. O que, segundo a entidade, isso representa uma “verdadeira afronta ao Estado Democrático de Direito”.

“É estarrecedor que, quase 30 anos após a reabertura democrática, alguns setores da sociedade demandem irresponsavelmente o retrocesso autoritário por meio de reedições das “Marchas da Família com Deus pela Liberdade”. Essas passeatas ocorridas em 1964 viam nas necessárias reformas de base anunciadas pelo governo João Goulart, democraticamente eleito, uma suposta tentativa de instauração do comunismo no país, fomentando na opinião pública um sentimento favorável ao Golpe de Estado que instaurou no país uma ditadura civil-militar que perdurou por mais de 20 anos”, diz a nota, que termina pedindo que os leitores se informem sobre o período militar:

“Para que nunca mais aconteça: conhecer para não repetir!”, diz o texto.

0 comments… add one

Leave a Comment