Minas: leite de ovelha

Primeira empresa de laticínios de leite de ovelha cadastrada em Minas recebe suporte técnico da Emater

Minas Gerais: leite de ovelha

Fonte: Agência Minas

Atividade foi regulamentada no Estado após a sanção da lei estadual 19.476/2011, que trata da habilitação sanitária agroindustrial rural de pequeno porte

Dona de um plantel de 60 ovelhas da raça lacaune, sendo somente 20 em lactação, a produtora familiar Lara Dias, não tem do que reclamar, quando o assunto é o empreendimento que montou na propriedade rural da família, em Itapecerica, no Centro-Oeste mineiro. A finalidade é processar o leite ovino, mas nesse primeiro ano de funcionamento, cautelosa, ela e a família optaram por investir inicialmente na fabricação de iogurte. “Focamos num produto até aumentar essa produção”, avisa.

Contando com a ajuda e a mão de obra de familiares, como a mãe, o sobrinho e o irmão, além de um funcionário, Lara comemora os resultados da agroindústria batizada de Sabores da Ovelha. “A empresa está indo bem. Os custos estão sendo pagos. Nosso produto está em vários supermercados e em Belo Horizonte, negociamos também a venda do nosso iogurte na rede dos supermercados Verde Mar”, enumera. Outro ganho apontado pela produtora é a renovação do rebanho, com a compra de ovelhas melhoradas geneticamente.

Para Lara, o ditado “o menos vira mais” explica bem a visão que ela adotou para tocar o negócio e aproveitar ao máximo a capacidade do local onde está instalada. “Onde comem uma vaca, comem dez ovelhas e isso compensa o pequeno tamanho da propriedade”, justifica. Sobre a renovação do plantel como vem fazendo, com menos ovelhas e mais produtividade na produção do leite, a produtora argumenta: “enquanto se gasta de nove a dez litros de leite de vaca para produzir um quilo de queijo, o mesmo produto de ovelha, consome de quatro a cinco litros”. A diferença, segundo Lara Dias, está no fato de o leite de ovelha possuir mais sólido (menos água).

O laticínio de leite de ovelhas de Itapecerica, que recebe o suporte técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) é o primeiro do tipo a funcionar de forma regulamentada, em Minas Gerais, após a lei estadual nº 19.476. Segundo a coordenadora técnica regional da Emater-MG de Belo Horizonte, Cinthya Madureira, a lei de 11 de janeiro de 2011, dispõe sobre a habilitação sanitária agroindustrial rural de pequeno porte.

O laticínio de Lara Dias, cujo projeto teve início em 2011, produz diariamente 200 potes de 160 gramas de iogurte e já está em importantes redes de supermercados de Belo Horizonte, Arcos, Itapecerica e Divinópolis. Na capital, o produto também pode ser encontrado em mais quatro pontos de vendas. Tudo isso acontece, apenas um ano após a obtenção do cadastro da agroindústria familiar junto ao Instituto de Agropecuária de Minas Gerais (IMA).

Outras atividades

 

Além da produção de leite, a empreendedora rural Lara Dias conta também que todas as geleias que dão sabores ao iogurte de leite de ovelha são produzidas na propriedade Rancho Bela Vista. “Nosso produto leva em sua composição 20 gramas de geleia, que pode ser de ameixa, abacaxi, frutas vermelhas, goiaba e frutas da estação. São 20 gramas do doce, produzido pela minha mãe e 140 de iogurte”, revela.

Outra atividade da propriedade familiar de Itapecerica, segundo Dias, é o abate das ovelhas machos, em abatedouro municipal, com o aproveitamento da carne em um bistrô rural, montado na cozinha da sede da fazenda. “Meu irmão assumiu a cozinha e funcionamos de sexta-feira a sábado, a partir das 20 horas, com pratos feitos de carne de ovelha. No domingo, abrimos para almoço e temos opções de outras carnes para os não amantes de cordeiro”, ressalta.

Neste final de semana, o iogurte de leite de ovelha, produzido pela família Dias, pode ser conhecido no estande de produtos da agricultura familiar da Emater-MG, no 3º Festival do Japão. Outros produtos como café, mel, queijo minas artesanal e doces de frutas estarão expostos para comercialização, por nove produtores do estado. O evento que começa nesta sexta-feira, no Expominas, é uma realização do Escritório do Cônsul Geral Honorário do Japão em Belo Horizonte, juntamente com a Associação de Cooperação em Ciência e Tecnologia Japão-Brasil. O Governo de Minas incentiva o festival.

0 comments… add one

Leave a Comment