Juiz vai devolver Medalha da Inconfidência: “condecoração passou a ser partidária”

Juiz Mozart Hamilton Bueno, que recebeu a medalha da Inconfidência em 1982, declarou que irá devolvê-la. “A condecoração deixou de ser objetiva e passou a ser partidária. Discordo da condecoração”, criticou Mozart.

Em 1982, Francelino Pereira dos Santos era o governador de Minas

Fonte: Hoje em Dia 

Juiz vai devolver Medalha da Inconfidência: "condecoração passou a ser partidária"

Rogério Correa, em defesa de Stédile; João Leite, protesto contundente. Foto: Marcelo Prates/Hoje em Dia

Homenagem a Stédile gera protesto e revolta em Minas

A polêmica envolvendo a entrega da medalha da Inconfidência ao dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, em Ouro Preto, tomou grandes proporções nesta quarta-feira (22) nas redes sociais, nos veículos de comunicação e na Assembleia Legislativa.

Por meio de carta aberta ao governador Fernando Pimentel (PT), o juiz Mozart Hamilton Bueno, que recebeu a medalha da Inconfidência em 1982, época em que Francelino Pereira dos Santos era governador do Estado, declarou que irá devolvê-la. “A condecoração deixou de ser objetiva e passou a ser partidária. Discordo da condecoração”, criticou Mozart em entrevista ao Hoje em Dia.

Em trechos da carta, o juiz diz que não quer ser comparado a Stédile. “Respeito a escolha de Vossa Excelência por essa atitude, mas me recuso ao nivelamento a que estão submetidos os nomes de grandes brasileiros que também foram distinguidos pelos governadores que lhe antecederam”.

No Legislativo, o clima esquentou em Plenário quando o tucano João Leite anunciou que o bloco de oposição havia protocolado um projeto de resolução com o objetivo de sustar os efeitos da medalha concedida a Stédile. “Essa comenda perdeu o valor para mim, banalizaram a medalha. Vou devolver a minha, que recebi em 1997 do governador Eduardo Azeredo (PSDB)”, afirmou.

Os ânimos se exaltaram quando o deputado Arlen Santiago (PTB) mandou o petista Rogério Corrêa, que defendia a comenda, ficar quieto. O conflito beirou à agressão na Casa. “Venha calar minha boca se for homem”, retrucou Corrêa.

O secretário de Governo, Odair Cunha, classificou a iniciativa da oposição como um “ato de intolerância”. “São gestos que não se coadunam com o espírito da liberdade de Minas, que preza a tolerância. A homenagem, mais do que a uma pessoa, foi feita ao conjunto de trabalhadores do campo”, disse.

Sociedade Rural diz que governador emite ‘sinais confusos’

A Sociedade Rural Brasileira reprovou, em nota, a entrega da medalha a Stédile. A entidade informou que “se solidariza com os atos de repúdio à iniciativa do governador, que causa desconsolo à sociedade e denigre o propósito da honraria”. O texto menciona que a atitude do governador emite sinais confusos à sociedade brasileira sobre prosperidade e determinação.

A homenagem também motivou uma nota de protesto de entidades mineiras assinada pela Faemg, ACMinas, CDL, Ciemg, Fecomércio, Federaminas, Fetcemg, Fiemg, Ocemg e FCDL.

Já o líder do governo na Assembleia Legislativa, Durval Ângelo (PT), avalia que o projeto de resolução protocolado pelo bloco de oposição “Verdade e Coerência” para sustar os efeitos da medalha concedida ao líder do MST não terá efeito prático.

Segundo ele, o projeto deverá ser arquivado. “Um decreto legislativo somente pode tratar de ato de exclusiva competência do governador, o que não é o caso da medalha da Inconfidência, concedida por um Conselho da Medalha formado por secretários, presidente da Assembleia, representantes do Corpo de Bombeiros, polícias Civil e Militar e da Prefeitura de Ouro Preto”.

“Nasce um novo episódio da história mineira: o banditismo apoiado pelo governo” 
Trecho do editorial veiculado pelo Grupo Bandeirantes

A rádio 98 FM criou a música “Dá uma medalha pra mim” em programa humorístico, satirizando a entrega da medalha da Inconfidência a João Pedro Stédile.

0 comments… add one

Leave a Comment