Governo Pimentel: secretário quer vender cidade administrativa

Secretário de Meio Ambiente, Sávio Souza Cruz (PMDB), defendeu, em reunião,  a “federalização” da Cidade Administrativa.

Proposta seria vender os prédios, que custaram R$ 1,2 bilhão para o governo federal

Bravata: Secretário de Pimentel quer vender Cidade Administrativa

Com área construída de 270 mil metros quadrados, a Cidade Administrativa abriga 17 mil servidores em 57 órgãos públicos. Foto: Bruno Magalhães

Fonte: Estado de Minas 

Secretário quer vender cidade administrativa do governo de Minas

O secretário de Meio Ambiente, Sávio Souza Cruz (PMDB), defendeu ontem, em reunião com representantes da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) e deputados estaduais a “federalização” da Cidade Administrativa, sede da maioria dos órgãos da administração estadual.

A proposta seria vender os prédios, que custaram R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos, para o governo federal transformar as instalações em uma universidade ou algo ligado à cultura. A sugestão não teve o respaldo dos participantes do encontro, que tinha por objetivo discutir propostas para o desenvolvimento econômico da Zona da Mata. Estavam presentes na reunião cinco deputados que fazem parte da frente parlamentar em defesa da região e também prefeitos, além do presidente da Fiemg, Olavo Machado.

O secretário disse que essa foi uma das sugestões feitas por ele para o governador Fernando Pimentel (PT) para resolver os problemas financeiros do estado, que fechou o ano de 2014 com um déficit orçamentário de R$ 2,1 bilhões, segundo balanço oficial publicado em janeiro no Diário Oficial do estado. Sávio garante que essa não é uma proposta do governo do estado e sim uma iniciativa dele.

O governo do estado negou, por meio de sua assessoria de comunicação, que tenha interesse em federalizar a Cidade Administrativa e garantiu que o governador só despacha no Palácio Tiradentes. Informou ainda que não procede a informação de que Pimentel estaria inaugurando uma sala no prédio sede da Cemig para trabalhar lá de vez em quando.

Olavo Machado disse que sugestões todos podem dar. “Mas será que essa é uma proposta factível?”, questionou o presidente da Fiemg. Um outro participante da reunião disse que a sugestão foi feita como deputado, pois essa era uma proposta defendida por ele quando exercia o mandato eletivo. “Não são opiniões do secretário nem do governo, são ideias que ele defendia quando era deputado”. O secretário era um dos mais ferrenhos opositores do governo PSDB na Assembleia. Eleito deputado em outubro, ele se licenciou para comandar a secretaria. Com área construída de 270 mil metros quadrados, a Cidade Administrativa abriga 17 mil servidores em 57 órgãos públicos.

0 comments… add one

Leave a Comment